Notícias
Notícias
30/01/2023
Inflação do aluguel: IGP-M desacelera e fica em 0,21% em janeiro
O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) variou 0,21% em janeiro, informou nesta segunda-feira (30) o FGV IBRE. Com isso, o índice acumula alta de 3,79% em 12 meses. É o segundo mês seguido de alta - em dezembro, o índice variou 0,45%. Em 2022, o IGP-M fechou em alta de 5,45%. Em janeiro de 2022, o índice teve variação de 1,82% e acumulava alta de 16,91% em 12 meses. De acordo com André Braz, coordenador dos Índices de Preços, entre os componentes do IGP-M, o índice ao produtor segue registrando arrefecimento das pressões inflacionárias. "O preço das matérias-primas brutas desacelerou de 2,09% para 1,55% e, entre os bens intermediários, cuja taxa passou de -0,30% para -1,06%, a queda fo...

Um olhar sobre a economia nordestina - 2023
Marcio Borba - 04/10/2022

Orçamento do Banco do Nordeste traz bilhões para apoiar desenvolvimento econômico e social

O orçamento do Banco do Nordeste – BNB para 2023 está programado. Serão R$ 34,6 bilhões dedicados a apoiar o desenvolvimento econômico e social da região Nordeste, e, no norte de Minas Gerais e do Espírito Santo.

A apresentação da programação financeira foi feita no último dia 26 de setembro próximo passado, em conjunto com o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste – SUDENE.

As metas da aplicação dos recursos do Fundo Constitucional do Nordeste – FNE, com um olhar sobre a região Nordeste, foram divididas por estado. Nesta divisão, coube à Bahia a maior participação, com previsão de R$ 8,2 bilhões. Na sequência, veio o estado do Ceará com R$ 5,2 bilhões e Pernambuco com R$ 4,7 bilhões. No primeiro terço da distribuição dos recursos, encontramos claramente o retrato da dinâmica e da realidade das três principais economias da região.

A divisão é coerente com o momento de cada Estado. A dinâmica da economia baiana apresenta uma demanda suficiente para absorver quase metade dos recursos a serem direcionados ao “trio de ferro” da economia nordestina. O Ceará, descolando um pouco da economia pernambucana, terá 10,93% a mais de recursos programados em relação aos recursos previstos para Pernambuco, o que representa 2.76 pontos percentuais, conforme demonstra o quadro acima.

No terço médio das economias nordestinas, temos o Maranhão com R$ 3,5 bilhões de recursos programados, o estado do Piauí com R$ 2,9 bilhões e o estado do Rio Grande do Norte com R$ 2,11 bilhões.

Economias intermediarias que terão, em conjunto, R$ 8,51 bilhões para investimentos e capital de giro em 2023, com forte impacto positivo nessas economias.

Já no terço final das economias nordestinas, teremos a programação de R$ 5,2 bilhões e verificamos um equilíbrio nas programações de disponibilidade de recursos. A liderança neste terço final é do estado de Alagoas com R$ 1,8 bilhões, seguido de perto pelos estados da Paraíba e Sergipe, ambos com previsão de R$ 1,7 bilhões cada.

Assim, teremos o cenário na região Nordeste em 2023 de R$ 31,81 bilhões de aporte de capital para investimentos e capital de giro proporcionados pelo BNB com origem nos recursos do FNE.

Na divisão acima, também verificamos que o “trio de ferro” da economia nordestina, será responsável por 56,90% dos recursos destinados a região e representando R$ 18,1 bilhões. O terço médio será responsável por 26,75% dos recursos programados, representando R$ 8,51 bilhões, e, por fim, o terço final será responsável por 16,35% representando R$ 5,2 bilhões.

No cenário geral da programação financeira do FNE para 2023, teremos ainda os recursos destinados ao Norte de Minas Gerais, que importará em R$ 1,97 bilhões, e ao Norte do Espírito Santo, com R$ 579 milhões.

Assim sendo, o Quadro Geral das aplicações do FNE, via BNB, para 2023 ficará da seguinte forma a seguir.

Esta programação financeira do BNB/FNE, aliada às várias outras informações e análises da economia brasileira, que temos comentado aqui nas Colunas passadas, reafirmam a cada dia a confiança na nossa economia.
Mantendo esta condução e linha de trabalho, o Brasil que ocupa o 10° lugar no ranking das economias mundiais, (Austin Rating – Poder 360 – 1° trimestre/2022) poderá, em breve, galgar novas posições e alcançar novos e inéditos patamares na economia mundial.






Outras Notícias

02/02/2023 - Com manutenção da Selic em 13,75%, Brasil continua com...
30/01/2023 - Inflação do aluguel: IGP-M desacelera e fica em 0,21%...
30/01/2023 - Inflação do aluguel: IGP-M desacelera e fica em 0,21%...
23/01/2023 - Mercado eleva previsão para inflação de 2023 e 2024 e...
29/12/2022 - IGP-M: inflação do aluguel fecha 2022 com alta de 5,45%
28/12/2022 - MÁRCIO BORBA ESCLARECE - NÚMEROS DE PAULO CÂMARA SÃO...
22/12/2022 - Terceiro trimestre: PIB de Pernambuco registra índice...
19/12/2022 - Pernambuco anuncia investimentos de mais de R$ 4,8...
13/12/2022 - Uma visão macroeconômica do Brasil em 2022
09/12/2022 - IPCA tem alta de 0,41% em novembro, influenciado pelos...
29/11/2022 - IGP-M registra queda de preços de 0,56% em novembro,...
12/11/2022 - A inflação no Brasil e no mundo
07/11/2022 - Ibovespa hoje: inflação no EUA, China e semana de...
28/10/2022 - Prazo de linhas do Pronampe sobe para 72 meses
26/10/2022 - Gigante da indústria farmacêutica instala unidade em...
19/10/2022 - Pernambuco vai criar 613 novas vagas de trabalho com...
14/10/2022 - Brasil apresenta dados de retomada econômica ao G20
07/10/2022 - Cinco maiores bancos dominaram 81,4% do mercado de...
29/09/2022 - IGP-M volta a registrar deflação em setembro, de 0,95%
28/09/2022 - Proposta de programação do FNE para 2023 prevê um...
 
 
Avenida Conselheiro Aguiar 2205 - sala 102 - Boa Viagem - CEP 51.111-011 - Recife/PE
e-mail: secretaria@borbaconsultoria.com.br

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player